Seu número é o poder! 

Você já passou seu número de celular para alguém hoje? Nessa semana? No último mês? Quando digo “alguém”, não quero dizer somente uma pessoa, não. Pode ser num desses cadastros em lojas virtuais que você precisa fazer para realizar uma compra. E aí, passou?

Provavelmente você já fez isso em algum momento da sua vida. Quando passamos tal informação – aparentemente despretensiosa – estamos alimentando um enorme banco de dados, que poderá servir, por exemplo, para te enviar aquele sms fora de hora ou te fazer aquela ligação indesejada que você nunca sabe de onde vem.

Mas, não se preocupe. Não é apenas assim que podem obter seu número de telefone, afinal muita gente pode colocar nesses cadastros apenas o número residencial, certo?

Desenho de mulher olhando espantada para telefone tocando

Para investigadores, o número do celular é ainda mais útil que o da Seguridade Social porque está ligado a inúmeras bases de dados e conectado a um aparelho que quase sempre está com a pessoa. “Ele pode ser um portal a todo tipo de informação”, alerta Robert Schoshinski, diretor assistente para privacidade e proteção de identidade da Comissão Federal de Comércio[1].

As empresas de telefonia e seu número de telefone

De maneira geral, não precisam roubar seu número de telefone de um cadastro que você fez na farmácia, numa loja virtual ou no supermercado da esquina. Basta que você possua um aparelho celular e pronto, seu número já estará no sistema.

Conhecendo a Lei… 

Neste ponto você talvez pense no absurdo que é uma empresa aleatória conseguir seu número de celular, não é mesmo? Quem é que não acha incomodo receber ligações de São Paulo, Curitiba, de todas as partes do Brasil, muitas vezes de maneira insistente e sem propósito nenhum? Pois é, seria uma pena se eu te dissesse que – embora eticamente questionável – essa apropriação dos dados ainda é perfeitamente legal.  

A Lei Geral de Telecomunicações, criada em 1997 e que dá origem a ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), garante a disponibilização da lista de assinantes dos serviços de telefone fixo, mas inclui diversos números móveis também (LEI Nº 9.472, Art. 213).

Assim, a empresa de telefonia da sua escolha, sua operadora, tem – de certo modo – por obrigação legal disponibilizar e tornar público os dados referentes ao seu cadastro para todo e qualquer interessado, incluindo essas empresas com telemarketing chato que te perturbam ligando o tempo todo.

O que as operadoras sabem sobre você?

Talvez, uma leitora ou leitor desavisado possa nutrir aquele ímpeto inicial de achar que está tudo bem, porque embora sejam dados pessoais, não chegam a invadir a intimidade. Além disso, o que são umas ligaçõezinhas de vez em quando, não é mesmo?

Várias empresas têm informações pessoais dos seus clientes, já falamos sobre isso no começo do nosso texto. Contudo, as empresas de telefonia “têm dados que permitem montar um perfil muito preciso do usuário”, é o que afirma o pesquisador Luiz Fernando Moncau da FGV-RJ.

Traçar um perfil significa elaborar estratégias que vão desde o melhor produto para te venderem, até as maneiras de fazer isso acontecer. Mas, a problemática não é necessariamente o que tentam te empurrar via ligação e sim como nossas informações permanecem flutuando no limbo do “sistema”, prontas para que todos tenham acesso.

A chave da sua vida privada 

 Se o número de celular é a chave da sua vida privada. Através dele, seus menores problemas seriam pessoas de outro Estados te ligando para vender coisas. Pelo número é possível monitorar suas atividades, incluindo suas compras.

Empresas financeiras ou redes sociais que detenham seu número conseguem tranquilamente conectar suas “movimentações”, fazendo com que o número do seu celular se torne uma espécie de registro civil capaz de te identificar. Como pode perceber, tanto o número como o aparelho tem ganhado status de documentação e funcionado como ótimas ferramentas de espionagem.

Observe o infográfico sobre a guarda de Dados:

Infográfico sobre o tempo de guarda dos dados pessoais, Editora de Arte/Folhapress

 Kiev 

Após participarem de uma manifestação no ano de 2014 em Kiev – Ucrânia, uma série de pessoas receberam a seguinte mensagem em seus aparelhos de celular: “Caro assinante, você foi registrado como participante de um tumulto”.

Tal situação gerou grande desconforto e insegurança perante a população que agora desconfiava de espionagem por parte do seu governo. Além disso, os debates sobre privacidade em relação aos aparelhos móveis entrou também na pauta de discussão da população ucraniana.

Aconteceu no Brasil… ou quase…

Em 2013, após uma série de manifestações no Rio de Janeiro, o então governador Sérgio Cabral (atual condenado pela justiça por corrupção passiva, recebimento de vantagens indevidas e lavagem de dinheiro), lançou um decreto polêmico.

No decreto assinado pelo governador para investigar os casos de vandalismo durante as manifestações, se exigia, entre outras coisas, que as empresas de telefonia e internet entregassem informações de usuários suspeitos de envolvimentos em protesto, sem sequer a necessidade de um mandado judicial que sustentasse juridicamente o pedido.

Após forte oposição da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e outros setores da sociedade, essa tentativa de quebra de sigilo foi declarada inconstitucional, fazendo com que finalmente o governador voltasse atrás.

Como descobrir se seu parceiro ou sua parceira está te traindo?

A Globo possui em seu site uma coluna específica sobre Segurança Digital. Perguntados sobre as duvidas mais frequentes que os colunistas recebiam, a resposta não foi nada mais nada menos do que “como espionar o namorado(a)?”.

Mais preocupados com um possível chifre do que com nossas próprias informações e todo tipo de marketing e fraudes que se podem fazer com elas, o brasileiro tocou num ponto interessante. Seu celular pode ser invadido através do seu número de telefone?

O site TecMundo listou 10 aplicativos para quem deseja descobrir se seu parceiro ou parceira está traindo você. Entre os brinquedinhos apresentados, podemos encontrar os que gravam conversas realizadas de um determinado aparelho, ou que registram todo histórico de uso do celular e até mesmo aplicativos pensados para sua segurança e comodidade, como o ‘Find My Friend’ que permite localizar um aparelho perdido, sendo utilizado para rastrear os passos da sua alma gêmea.

Mas, a despeito dessa insegurança amorosa, a verdade é que estamos potencialmente expostos simplesmente por possuir um celular. Então, respondendo se nosso celular pode ser invadido e junto com ele nossas informações gravadas ali, desde as necessárias para app de banco, Uber, Facebook, sim, é possível.

É possível que o seu celular seja “hackeado” apenas com a informação do seu número de telefone e as ferramentas certas. Contudo, esse tipo de acontecimento é pouco comum, tanto pelas dificuldades de suporte quanto pelas medidas de segurança do seu aparelho. Mesmo assim, tem sido realizados diversos debates no que tange a tentativa de proteger sua informação, vejamos a seguir um exemplo.

Ainda não protege sua informação, mas pelo menos não perturba mais…

No Brasil, o Senado aprovou recentemente um projeto que limita as ligações de telemarketing. Imagino que, depois de tudo que você leu aqui, pense que esse é o menor problema. E de fato é, até porque o projeto não funciona para evitar que tais ligações ocorram, ele apenas limita. Mesmo assim, sejamos otimistas e pensemos que, embora não tenhamos força suficiente para sair do sistema, ao menos seremos um pouco menos incomodados por ele.

Pessoa discando no telefone

O projeto limita os horários de ligação e cria a opção de um “botão”, a ser acionado pelo consumidor, que possa derrubar automaticamente a chamada e retirar seu contato do cadastro da empresa pelo período de quatro meses. O texto ainda limita o número de três ligações e três mensagens para o potencial cliente. Esse projeto ainda deve ser aprovado pela Câmara para entrar em vigor.

5 dicas maravilhosas para se proteger:

1 – Leia nosso blog. Isso não evitará que você seja enganado por aí, mas pelo menos saberá que está sendo;

2 – Use sempre camisinha;

3 – Não dê suas informações pessoais para qualquer pessoa;

4 – Evite abrir emails ou executar programas desconhecidos;

5 – Evite colocar seu número de telefone em cadastros de sites que não sejam confiáveis;

6 – Utilize sites como Quemtameligando.com e Quemperturba.com.br. Nessas comunidades, as pessoas denunciam números utilizados para golpes, ou simplesmente para encher o saco;

7 – Na próxima vez que te ligarem querendo oferecer linha de crédito, diga que você é don@ de uma funerária e que seus negócios estão mais mortos do que nunca.

Com essas dicas básicas, você poderá se tornará um mestre digital da segurança de sucesso, ou não!

Se você gostou desse texto nos escreva, curta, compartilhe e pode ligar pra mim oferecendo linha de crédito!

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *